• 400
    Shares
Itália, tumor no estômago e Dr. Paulo
Hora de parar e pensar sobre a vida…

O segundo semestre do ano de 2014 foi bem estranho. Eu me sentia diferente, fraca, era como se meu cérebro não estivesse funcionando, estava nebuloso, meus cabelos caíam aos montes e eu tinha dificuldade de dormir à noite.

Pensava ser o stress, afinal muitos trabalhos meus haviam sido cancelados, eu estava preocupada. Por outro lado, meu primeiro livro seria publicado em fevereiro de 2015, “só” faltava a arte final, fazer as pinturas das telas dos desenhos que havia esboçado. Sabia que pintar o “Menina que organizava” não seria fácil, pois tinha me proposto a fazer algo trabalhoso, mais do que sempre. Mas a execução das pinturas começou a ficar muito mais difícil do que eu imaginava.

Minha cabeça estava confusa, eu não acertava as cores, enquadramento de cenas, ficava nervosa, acabei cortando muitas telas com estilete por estar insatisfeita com o resultado. Lembro que uma amiga até brincou comigo, dizendo: “Enquanto você não cortar a orelha está tudo bem”, rs. Ela estava se referindo ao famoso pintor Vincent van Gogh,rs.

A vida seguiu, o mês de fevereiro chegou, trazendo a notícia do adiamento da publicação da obra, o que me deixou extremamente “feliz”, como devem imaginar. Logo depois, na festa de 1 ano do meu afilhado, encontrei um primo que não via há muito tempo, advogado. Ele me contou que tinha levantado toda documentação da família e que estava indo para a Itália fazer a cidadania dele com uma empresa de lá.

Havia muitos anos que eu “namorava” um mestrado na Itália em ilustração e muito tempo que queria ir pra lá, por N motivos. Eu não estava com quase nada de dinheiro, mas o fato de o meu primo já ter visto toda documentação e tudo estar encaminhado era uma grande oportunidade. Emprestei dinheiro e comecei a me programar para ir no final de abril.

A correria era grande, o cansaço só aumentava, assim como a já crônica queda de cabelo. Às vezes pensava que não teria forças para continuar.

Em abril recebi um telefonema para confirmar consulta minha e do meu pai numa clínica chamada Costa Claro, para o dia seguinte. “Costa o quê?”, pensei. Confirmei, desliguei e não conseguia lembrar por que tinha marcado consulta naquela clínica.

Só depois de um tempo lembrei que tinha marcado consulta lá por indicação da minha nutricionista e amiga e também celíaca, Mariane Rovedo. Comentei com ela que meu pai havia tido uma crise de refluxo e estufamento e a endoscopia dele tinha negativado para D.C. Ela então sugeriu que eu marcasse consulta com o médico dela pra nós dois.

Depois que confirmei, fiquei pensando que era melhor cancelar. Quando falei pro meu pai da consulta – que havia marcado mais de 7 meses antes – ele disse que não iria. Na hora pensei: “Pronto, ligo lá e desmarco a minha e a dele e continuo minha maratona atrás dos preparativos da viagem”.

Liguei para a clínica e comecei falando que meu pai ia desmarcar, que tinha outro compromisso, e a secretária explodiu: “Como? As pessoas demoram pra conseguir consulta aqui e ele desmarca uma hora antes? Mas pelo menos você vem, né?

Nunca me senti tão acuada… peguei um táxi voando e fui. Mal sabia eu que minha vida estava pra mudar, e mal sabia eu como estava minha saúde…

 

Um médico pra chamar de meu

Ao chegar na sala do dr. Paulo, eu tinha um sorriso nos lábios e realmente fui lá só por medo da secretária (rsrs), mas pensava: “Já estou indo num gastro, me cuido um monte, só vim perder meu tempo mesmo”.

Ao ver minha primeira biópsia, o médico já soltou: “D.C é uma doença séria, você tem se cuidado, né?” Eu respondi que sim. Ele foi falando uma lista enorme com nomes de exames, segundo ele obrigatórios para qualquer celíaco e pra surpresa dele eu jamais tinha ouvido falar de nenhum deles, muito menos feito.

Também me perguntou da lactose, pergunta à qual respondi com segurança que minha intolerância era só ao glúten, que meu médico havia liberado a lactose, e havia mesmo, mas sem fazer exame algum antes.

Dr. Paulo ia franzindo cada vez mais a testa e eu me intimidando cada vez mais. Não demorou muito, ele falou: “De pronto já posso dizer que está com refluxo e que seu intestino está distendido por contaminação cruzada”.

Fiz todos os exames de sangue que ele solicitou, o de intolerância à lactose também, endoscopia e colonoscopia. Tinha mais um monte de exames para fazer, mas todos exigiam jejum ou eram demorados e eu não tinha aquele tempo todo. Estava a menos de um mês da viagem e quase tudo pra preparar, um livro para fechar e dinheiro para arrecadar. Deixei alguns exames para a volta, mas não estava querendo voltar.

Não demorou muito para saber como estava minha saúde. Os exames de sangue revelaram que a B12, D e A estavam abaixo do normal. Meu exame da lactose revelou que eu era 100% intolerante, e já comecei a dar adeus à Nutella que estava no armário. A endoscopia revelou um tumor que só a biópsia diria se era benigno ou maligno. Ele me enviaria isso por e-mail. Minha colonoscopia não revelou nada, mas dr. Paulo foi prudente, havia outro exame intestinal a fazer.

Estava nervosa com tudo aquilo, injetei B12 e na semana seguinte estava embarcando para a Itália, não contei a ninguém sobre o tumor, não iam me deixar viajar. Pensei: “Melhor morrer depois de ter visto os girassóis da Toscana”, rs.

A viagem longa de avião, a fraqueza, a notícia do tumor, me fizeram refletir sobre a morte e sobre a vida. Todos sabemos que iremos morrer um dia, mas ver a mulher da foice se aproximando, aí já é outra coisa.

Na Itália acabei ficando num lugar isolado no alto de uma montanha, perto de um Santuário. Foi quase um retiro espiritual. Também entrei em contato com muitas editoras de lá, dei andamento à cidadania e pensava no tumor, no resultado… “o que eu tinha feito da minha vida?”, pensava no tanto de livros, animações que ainda queria fazer, no grande amor que não tinha aparecido, pensava em tudo, tudo, tudo.

Um mês depois, o e-mail do Dr. Paulo chegou trazendo a notícia de que o tumor era benigno, mas inspirava cuidados, me receitou medicação.

Minha queda de cabelo só piorava, passava a mão e saía uma peruca. No fundo eu sabia que algo não estava bem. Fui num médico de lá, mas ele não aceitou os exames, pois estavam em português e só eu traduzir não bastava. Eu teria de ir num gastro lá, mas a espera seria de quatro meses. Achei mais prudente voltar.

Na volta refiz os exames de sangue e fiz os que não tinha feito. Minha B12 estava 130 e havia um aviso na página impressa do laboratório (o ideal é acima de 500!). Comecei a injetar B12 desde julho de 2015, e injeto aquela “delícia” até hoje, quem já tomou sabe do que eu estou falando.

Fiz um exame chamado “trânsito intestinal”, que revelou atrofia de grande parte das vilosidades, o que esclareceu porque não absorvo via oral os nutrientes necessários para qualquer ser humano viver.

Acho que as coisas na vida da gente não são por acaso. Quando fiquei na Itália eu fazia minha comida. No dia que retornei ao Brasil, era hora do almoço, e como de costume comi a comida da minha mãe. Na hora me senti mal. Antes de ir para a Itália eu gerenciava meu café e meu jantar. O almoço minha mãe fazia e dizia cuidar da cruzada.

No dia seguinte comprei utensílios para mim e não demorou muito para perceber que ela apoiava o frango que ia preparar para o almoço na mesa que tinha abrigado migalhas do café, não demorou muito para ver que ela comia sanduíches enquanto preparava o almoço… enfim, não era por maldade, e a partir daquele momento percebi que eu deveria tomar conta de mim e da minha dieta.

Moral da história? Meu organismo estava muito mal porque estava me contaminando e não sabia e se não tivesse ido à Itália as coisas só teriam piorado.

O Dr. Paulo foi o único médico a me dar a real: “Eve, você é celíaca, terá de se conscientizar disso”.

O apoio clínico e humano que ele dá é imenso. Ele sabe das dores da vida de um celíaco. Ele me abriu os olhos sobre a condição de autoimune da D.C: “Mesmo você cuidando pode desenvolver outros problemas Eve, não cuidando pior ainda”. Foi durante este período de convívio com Dr. Paulo que começei a esboçar a Célia Celíaca, precisava explicar os meus cuidados pra minha família/amigos e estava difícil, mas isso é outro texto que em breve partilho com vocês.

Acho que aproveito esse momento para dizer que se você celíaco “está levando” ou está com um médico “mais ou menos”, está na hora de repensar isto, pois nossa vida depende dos cuidados que temos e de um acompanhamento médico/nutricional, e por vezes psicológico correto.

 

Revisão: Érika Busani

Entre em contato com a

Célia Celíaca