Doença Celíaca, dermatite atópica e muito amor! - Celia Celiaca
  • 631
    Shares
Doença Celíaca, dermatite atópica e muito amor!
Conheça a história da pequena Rebeca!

Trouxemos para vocês conhecerem, a história da pequena Rebeca a linda princesinha de 6 anos, que é celíaca.
Segundo relatos da mãe Sandra, Rebeca era uma bebê pequenina e magrinha. Lá pelos seis meses, repentinamente apresentou uma diarreia, que se tornou persistente. Diziam que era dentinho ou alguma comidinha que não tinha feito bem. Mas o tempo foi passando, chegou o primeiro aninho, nada dos dentes e a diarreia permanecia constante, evoluída para infecção intestinal e até os cabelos começaram a cair. Rebeca, que já havia começado a caminhar, regrediu e voltou a engatinhar, pois as dores não passavam. Ficou completamente debilitada, com uma infecção intestinal atrás da outra. Era o final de 2016, quando quase malucos, os pais consultavam médicos e mais médicos e nenhum descobria qual era a doença de Rebeca. E frases como esta se repetiam: “Mãe ela não tem nada, é coisa da tua cabeça” – como se Sandra fosse uma mãe procurando doença na filha.
Em janeiro de 2017, Rebeca teve uma urticária gravíssima, por fora e por dentro, atingindo os órgãos. Os médicos disseram que não sabiam como a menina aguentava a dor. A aparência de queimadura se encheu de bolhas e foram 21 dias sem usar fralda. Debilitada, porém valente e corajosa, Rebeca se esforçou por viver. Veio a descamação, a troca de pele, a fraqueza, deixando a pequena desnutrida e desidratada. Mas ela lutou e finalmente se recuperou. Porém, passados uns dois meses, começou um sangramento intestinal. E sangrava tanto, que na troca das fraldas vinham jatos. Faltava dois risquinhos para uma transfusão de sangue. Aquele quadro, aos poucos, estava matando a criança e sua mãe. Os pais tentaram transferi-la de hospital, mas não haviam vagas. Estavam desolados sem poder fazer nada. Num ato de desespero, Sandra chegou a dizer para o médico que venderia os bens, que pagaria o que pudesse, para salvar a filha. Foi quando marcou uma consulta no Hospital Pequeno Príncipe, que é referência em Curitiba.

Sandra lembra com todos os detalhes que disse para a Dra. Denise: – “Salve minha filha. Ela está morrendo”. Por não saber mais o que pensar, a mãe achava que a filha estava com alguma doença rara ou câncer.
Então a médica, com muito amor e respeito, foi examinando e falando que ela poderia ser celíaca. “Meu Deus o que é isso?” – perguntou Sandra. A médica explicou que se trata de uma doença relacionada ao glúten e ao leite. E prescreveu exames de sangue e endoscopia com biópsia, que positivaram para celíaca.
A seguir vieram restrições a mais 30 alimentos e a transição, com a troca de todos os utensílios da cozinha, tudo mesmo, pois não se pode deixar nenhum que tenha sido usado anteriormente.
Família, amigos e até pessoas que eles não conheciam, trouxeram doações: panos de prato, panelas, talheres, formas, plásticos e foi tão grande a bênção, tanta ajuda, que até hoje Sandra se emociona.
“Esse ano vamos comemorar o aniversário de três anos de diagnóstico. Rebeca cresceu, nasceram os dentes, ela voltou a andar, os cabelos estão lindos e a pele maravilhosa.” – relata a mãe.
Todo o sofrimento, lágrimas escondidas e derramadas de ver a dor da filha, que tão corajosamente lutou, são águas passadas. Quanto aos gastos que tiveram, nunca pensam nisso, porque o valor monetário é pouco, se comparado à vitalidade de agora. “Daria a minha vida para que ela vivesse! O dia em que minha Rebeca Boneca Celíaca recebeu seu diagnóstico eu morri e renasci celíaca de coração, junto com ela. Hoje ela toma alguns medicamentos, para os problemas que ficaram, usa cremes para a dermatite atópica, remédios para combater alergia e bombinha para a asma.” – conta-nos a mãe.
O casal fez pedidos de ajuda ao Ministério Público, que foram negados, porém muitas pessoas abençoadas os ajudaram e ainda ajudam, alguns mesmo sem os conhecer. E Sandra nos disse que são muito, muito gratos a estes seres humanos iluminados: Ana Cláudia – presidente da Acelpar Curitiba, os ajuda com todo amor e respeito; Fabiane da Fama Sabores glúten free – doa comidas gostosas; Sahra Thomas – é uma amiga amada; Keli – querida, de Jaraguá do Sul, lhes envia cestas com alimentos; Juju – doa macarrões deliciosos; a família de Sandra – que nunca mediu esforços para ajudá-los; enfim, doações de alimentos do Brasil todo, enternecem a família e os fazem observar o quanto as pessoas podem ser maravilhosas e o quanto Deus é bondoso o tempo todo!
E para nossa alegria, aqui na reportagem, a querida Rebeca falou um pouquinho da Celia, que ela adora ver os desenhos e mandou o recado:
– Eu era igual o peixe e igual a princesa. A princesa sou eu, mas loira!
Isso mesmo Rebeca, assinamos embaixo!

Sandra, nós da Celia agradecemos pelo seu carinho. Sabemos que todos os cuidados da Rebeca são delicados e específicos. Contem conosco, pois ajudaremos vocês no que pudermos!

Entre em contato com a

Célia Celíaca

Prove sua Humanidade: 5+1=?