Curitiba, um pequeno paraíso sem glúten! - Celia Celiaca
  • 525
    Shares
Curitiba, um pequeno paraíso sem glúten!
Saiba mais com Ana Cláudia Cendofanti e Solange Nascimento da Acelpar!

Nos últimos anos Curitiba vem chamando a atenção de celíacos, alérgicos e sensíveis ao glúten, por ser uma cidade que desenvolveu um olhar criterioso sobre o assunto. São 14 lugares totalmente Glúten Free: 2 hotéis com café da manhã seguro para celíacos, opções sem glúten no aeroporto e muito mais!
Por esse diferencial, a cidade ganha reconhecimento como um pequeno paraíso sem glúten. Por que será?

Para saber mais, Eve Ferretti, que é curitibana e criou a Célia Celíaca, conversou com Ana Claudia Cendofanti e Solange Nascimento, respectivamente presidente e vice-presidente da Acelpar – Associação de Celíacos do Paraná.

A necessidade dos celíacos se encontrarem para trocar experiências e receitas fez com que a Dra. Lorete Kotze criasse a ACELPAR, em 1998.

Iniciativa importantíssima, que vem culminar na Curitiba de hoje, que conta com catorze restaurantes exclusivos glúten free e um de ambiente compartilhado. Estes locais passaram pelo processo de implantação dos critérios desenvolvidos pela Acelpar. Destacam-se ainda Maringá e Londrina, que também contam com seis restaurantes validados.

Eve Ferretti constatou que desde a época do seu diagnóstico, em 2012 até hoje, houve um crescimento sete vezes maior de opções de restaurantes aptos a celíacos. Naquela ocasião a cidade contava com dois restaurantes, sem a supervisão da Acelpar.
Esse aumento deve-se a dois fatores: as ações da Acelpar de apoio e validação técnica e à crescente demanda de mercado em atender ao celíaco que representa 1% da população mundial.
O processo de validação que ocorre desde 2016, evoluiu para o Selo Sem Glúten. O processo da concessão dos selos Sem Glúten a restaurantes e estabelecimentos que fornecem alimentação a celíacos, como hotéis, hospitais, entre outros, inicia-se a partir de maio de 2019. O selo é concedido mediante a formalização de procedimentos de auditoria, nas instalações da empresa e após a avaliação do processo, desde a seleção de matéria prima, a manipulação, o serviço e entregas por disk. E a validação é outorgada por equipe técnica experiente na área.
Ana Claudia Cendofanti, que gerencia a equipe, tem formação em engenharia química e em gastronomia, sendo ainda experiente em auditoria, consultoria e perícia técnica, em indústrias e restaurantes, há mais de 20 anos.

Curitiba abriu oportunidades para empreendedores glúten free, o que exigiu da Acelpar um trabalho criterioso na validação técnica de restaurantes e demais espaços, visando a segurança alimentar do celíaco, que antes tinha receio de comer fora de casa. O surpreendente é que se trata de um trabalho voluntário, sistematizado por uma equipe que apoia empresas que querem atender ao celíaco, de forma adequada. Confiando nestes procedimentos, os celíacos saem de casa e usufruem da vida social, frequentando restaurantes validados.
O mercado percebendo isso, valorizou esse trabalho, o público consumidor e a resposta veio, com o aumento da demanda de mercado.
O perfil do empreendedor varia muito: há celíacos abrindo seus negócios, assim como empresários sérios, visando atender ao público alvo, com responsabilidade. E a Acelpar presta a consultoria para os estabelecimentos, orientando-os até estarem aptos para atender aos celíacos.

O trabalho sério e exaustivo, feito pela equipe da Acelpar, visa a melhoria da qualidade de vida e a inclusão social dos celíacos.
Além dos restaurantes, há outros projetos, como o treinamento e capacitação de escolas, para inclusão de crianças celíacas, que vem sendo inserido no estado do Paraná, com parcerias de grupos locais, nas cidades de Maringá, Londrina, Rio Negro, Umuarama, entre outras.

Ana Claudia Cendofanti, buscou a associação em setembro de 2012, após o diagnóstico das filhas Sarah e Sophia. De início foi o aprendizado. Mas com o passar dos anos, sua ajuda se intensificou, até Ana assumir o cargo de presidente, eleita por votação dos associados.
Ana lembra que na sua primeira reunião pós-diagnóstico, reencontrou Solange, sua amiga da faculdade de Engenharia Química, da UFPR.
Solange já se dedica à Acelpar há 10 anos, tendo sido presidente por 8 anos. Ela também procurou a associação depois do diagnóstico da irmã e acabou ajudando nos eventos, até assumir a diretoria.

O primeiro hotel treinado pela Acelpar, para o atendimento aos celíacos, no café da manhã, foi o Novotel de Curitiba, a pedido da organizadora de um Encontro de Influenciadoras Digitais.
Após o sucesso dessa demanda, a associação foi chamada pela Sra. Ticiana da Dr. Schar e pelo Sr. Eraldo Santana, gerente do Hotel Slaviero, para realizar um treinamento piloto, a ser replicado na rede Slavieiro de hotéis, que na ocasião estabelecia uma parceria com os produtos do Dr. Schar. O hotel pretendia oferecer o serviço de café da manhã sem glúten, com todos os detalhes de segurança na execução e manipulação, para atender aos celíacos.
Ana relata que foi realizado o treinamento/sensibilização da equipe do hotel, para cada detalhe do serviço. E a associação elaborou um guia de todas as etapas e cuidados do processo, direcionado à rede e oportunizando a execução segura.

Eve Ferretti gostou de saber de algumas conquistas para celíacos em aeroportos e pediu à Ana para nos contar a respeito.
“Em julho de 2018, fiz uma viagem com a família para o exterior com paradas nas salas Vips dos aeroportos de Brasília e Curitiba. Antes de nossa viagem, conversamos com o responsável pela alimentação nessas salas e os orientamos para termos opções seguras para celíacos. Assim tivemos esse suporte nas paradas para lanches. Foi um projeto particular, mas estamos tentando consolidar esses procedimentos pela Acelpar, para torná-los padronizados. Buscamos também vários contatos com empresas aéreas para demandar opções de lanches seguros em voos nacionais.”

Segundo Ana, a associação pensa em projetos voltados à melhoria da qualidade de vida e inclusão do celíaco no estado do Paraná. Um deles, citado com orgulho, é a criação do primeiro grupo no Brasil voltado às crianças celíacas: o Acelpar Kids, que é uma iniciativa criada em outubro de 2017, pelas filhas Sarah e Sophia, hoje 12 e 10 anos, respectivamente.
O Acelpar Kids se reúne durante os encontros bimestrais da associação e tem aulas de culinária. Entre as atividades que costumam realizar, uma se destacou: o piquenique sem glúten, no Parque São Lourenço, em 2018.

O evento gratuito contou com um público de 120 celíacos, entre eles 75 crianças. Aconteceram oficinas de artesanato, de exploração da natureza, com grupo de escoteiros, brinquedos do SESC e contação de histórias. Entre os livros lidos, destacou-se “O homem que soltava pum e outras histórias” escrito e ilustrado por Eve Ferretti.

Ana relata que no ano passado iniciaram um alinhamento de projetos para melhorar o atendimento de crianças celíacas na rede pública estadual de ensino. Há outro projeto piloto em hospital e estão promovendo apoio e parcerias com grupos no interior do Paraná, para que a abrangência da Acelpar aumente no estado, demandamos ações judiciais e novas legislações estaduais, em prol dos celíacos.

É preciso destacar que a Acelpar é uma entidade sem fins lucrativos, que depende de voluntários e da renda gerada pelos eventos realizados, para se manter. Já conseguiram obter a utilidade pública municipal com a ajuda do vereador Bruno Pessuti, que tem apoiado a causa e conseguiram demandar leis estaduais, por meio da deputada Cláudia Pereira.

“A foto abaixo ilustra a matéria retrata o Dia do Celíaco realizado em 2018, quando a Dra. Lorete Kotze, fundadora da Acelpar há 21 anos, recebeu o agraciamento com o Título de Cidadã Benemérita, por indicação da Dep. Cláudia Pereira. Em 2019, comemoraremos o IV Dia do Celíaco, na Assembleia Legislativa do Paraná, apresentando palestras direcionadas ao público celíaco, para divulgar as conquistas e a causa.” – relata Ana.

O desafio da Acelpar é conseguir da utilidade pública estadual que os projetos abranjam todo o estado, de forma efetiva. Para isso, a Acelpar precisa antes ser reconhecida como entidade voltada à assistência social, pelo Fundo de Assistência Social. Porém o FAS ainda não reconhece a importância deste ato para os cidadãos celíacos, nem todo o trabalho que vem sendo realizado, pois nega o credenciamento no órgão, há mais de dois anos.

“Essa é nossa atual barreira a ser transposta.” – esclarece, Ana.

Nós do Portal Célia Celíaca ficamos muito felizes em saber de todas as novidades, sabemos que a luta não é fácil e contem com nosso apoio sempre que precisarem!

Entre em contato com a

Célia Celíaca

Prove sua Humanidade: 3+1=?