Contaminação Cruzada
com Dra. Danielle de Castro Kiatkoski

Todo celíaco sabe que o conter e o não conter glúten até que não é grande problema. O nosso maior fantasma e temor é sem duvida a contaminação cruzada no dia a dia, e foi sobre isso que conversamos com a Dra. Danielle, gastroenterologista.

 

1 – Pode nos explicar o que é contaminação cruzada?

A contaminação cruzada é a presença de partículas de glúten em alimentos ou utensílios que originalmente não deveriam ter. Essa contaminação pode acontecer durante o plantio, colheita, armazenamento ou preparo dos alimentos.  Muitos produtos rotulados com “Não contem glúten” apresentam quantidades mínimas em sua composição e não podem ser consumidos por celíacos. Por exemplo, um produto sem glúten embalado na mesma máquina que se embala produtos com glúten. A contaminação também é frequente em silos de armazenagem e transporte de alimentos, por isso todas as vezes que descobrir um produto novo isento de glúten o celíaco deve entrar em contato com o SAC para verificar se é seguro para o consumo. Outro exemplo clássico é o reaproveitamento de óleo para frituras, em um mesmo recipiente frita-se pastel e batatas, certamente partículas de glúten vão aderir as batatas causando danos ao celíaco.

 

2-      Os efeitos da contaminação, estar exposto é igual a ingerir o glúten?

Sim, infelizmente os danos são semelhantes, porém como parte dos celíacos é assintomático não percebe o mal que o contato com o glúten está causando, somente nos exames de rotina que terá ciência das lesões.

 

3-      Por que nem todos os celíacos aceitam a existência da contaminação cruzada, seria negação?

Evitar a contaminação cruzada é uma batalha diária, muitos não aceitam e não enfrentam o desafio até mesmo por comodidade, acham “exagero” desnecessário. Alguns apresentam reações graves com a contaminação cruzada, entretanto outros permanecem assintomáticos, o que dificulta a adesão à vida sem glúten.

 

4-      Fui diagnosticada em 2012 e tratada dois anos por um gastro que não me falou da contaminação cruzada, adoeci muito em 2015 e por sorte encontrei um médico que me orientou de forma correta. Conversando com outros celíacos percebi q isso acontecia com uma certa frequência. Por que isso acontece, alguma ideia? Por que nem todos os médicos conhecem a Contaminaçao cruzada?

A Doença Celíaca é uma patologia pouco estudada durante o curso de medicina, geralmente é vista em uma única aula na pediatria e depois junto com outras diarreias na disciplina de gastroenterologia, por vezes a contaminação cruzada sequer é citada. Desconheço ambulatório específico nos hospitais públicos, precisamos de políticas públicas que ajudem a conscientizar profissionais da saúde e a população em geral.

 

5- Quais são os riscos pra a saúde de um celíaco que mora numa casa glutenada?

O celíaco que vive em casa glutinada está morando com o inimigo! Está constantemente exposto e contaminado. Imagine uma faca passando geleia em um pão e retornando ao pote, certamente fragmentos de pão ficarão aderidos nela, em seguida o celíaco com uma nova faca usa a mesma geleia para seu pão sem glúten, impossível que não haja contaminação. Eletrodomésticos também são fontes importantes de contaminação: torradeiras, liquidificadores, batedeiras, etc. Devemos destacar que a farinha utilizada no preparo dos alimentos permanece no ar durante 24 horas e assim contamina todo o ambiente ao seu redor. Se uma cozinheira estiver em contato direto com o glúten, amassando um pão, por exemplo, e em seguida pegar na porta da geladeira parte do glúten de suas mãos será transferido para a geladeira.

É importante lembrar que animais domésticos que convivem com o celíaco também precisam ingerir ração sem glúten, esses animais, além de carregarem o glúten em seu pelo espalhando pela casa, frequentemente lambem seus tutores.

 

6- Que sintomas um celíaco pode apresentar quando e contaminado?

Os celíacos apresentam sintomatologia muito diversa frente à contaminação, um mesmo paciente poderá comportar-se de maneira diferente exposto ao mesmo alimento. Os sintomas mais comuns são dor e distensão abdominal importante, diarreia ou constipação, lesões de pele, fadiga, dor nas articulações, flatulência, sensação de amortecimento no corpo. É importante lembramos que alguns são assintomáticos mesmo ingerindo glúten.

 

7-      No caso dos assintomáticos, é mais difícil conscientiza-los? Correm mais riscos que os sintomáticos?

Sim, com certeza! Muitos argumentam que não ficam mal ao ingerir o glúten desprezando as lesões intestinais que apresentam. Além disso, para eles é muito mais difícil saber quando e onde foram contaminados, esses pacientes devem ter muito mais atenção e cuidado com o que ingerem. Não existe grau de Doença Celíaca, o fato de não apresentar sintomas não significa que tenha uma forma leve da doença. Uma vez diagnosticado a restrição de glúten deve ser total.

 

8-      Recebemos muitos desabafos de celíacos os familiares no geral não acreditam nos efeitos nocivos da contaminação e fazem pouco caso, como proceder?

Um dos grandes desafios que os celíacos e profissionais de saúde enfrentam é em relação à conscientização dos familiares. Se não houver engajamento da família é muito difícil que tenhamos uma boa evolução da Doença Celíaca. Todos em casa têm que aderir a dieta o ideal é levá-los as consultas e as reuniões de associações de pacientes. A Acelbra faz um excelente trabalho e participar das reuniões é uma maneira de estar sempre atualizado em relação a cuidados e produtos seguros.  É importante que amigos e familiares tenham informações sobrea a doença, não insistem na exposição ao glúten por maldade e sim por ignorar as consequências.  Existem 5 coisas que o celíco gostaria muito que todos soubessem:

– Dieta para celíaco não é moda, não é uma opção.

– Só um pouquinho de glúten pode causar transtornos enormes.

– Há muita diferença entre alimento sem glúten e alimento seguro para celíaco.

– Contaminação cruzada não é frescura.

– Sua falta de respeito e empatia pode matá-lo.

 

9- Esses cuidados são para celíacos, Sensiveis ao glúten não celíacos?

Sim, hoje não distinção na dieta, porém, devemos lembrar que  a Sensibilidade ao glúten não celíaca ainda é pouco conhecida.

 

10- Por fim poderia deixar alguma mensagem pro celíaco que está bem, foi diagnosticado, mas esta bem de saúde? Falo isso porque eu não tive a sorte de saber sobre contaminação antes de adoecer, vale a pena cuidar não vale?

É muito mais fácil manter a saúde do que resgatá-la! Um celíaco exposto à contaminação acaba desenvolvendo complicações como osteoporose, infertilidade, deficiência de vitaminas e até mesmo câncer de intestino. A vida sem glúten é a única opção!

 

Danielle de Castro Kiatkoski, CRM 14254 Pr, é graduada pela Faculdade Evangélica do Paraná, especialista em Gastroenterologia pela Federação Brasileira de Gastroenterologia e Endoscopia Digestiva pela Sociedade Brasileira de Endoscopia Per-oral. Desde o início da prática clínica se dedica ao estudo da Doença Celíaca e hoje esses pacientes representam grande parte do seu consultório. goo.gl/5MTqvd

Revisão:  Marilza Conceição

 

Entre em contato com a

Célia Celíaca

Prove sua Humanidade: 8+7=?